fbpx

Apartamentos grandes, com varanda e espaço para montar escritório, saem mais valorizados da quarentena

Embora a venda de novas unidades tenha apresentado queda nos meses de março e abril na cidade de São Paulo, os números vêm crescendo desde maio, segundo dados do Sindicato da Habitação (Secovi-SP), o que tem sido visto como um sinal de retomada.

De acordo com a diretora da rede de imobiliárias Lopes, Mirella Parpinelli, o momento é bom para comprar graças aos preços relativamente baixos e às boas condições de financiamento. Para quem quer vender, porém, a situação é pouco favorável.

“Muita gente está vendendo por necessidade. Para vender, é preciso estar num momento tranquilo, nunca no desespero. Tem que ter muito tempo e preparo emocional para fazer uma boa venda”, afirma.

Proprietários de média e alta renda têm vantagem, ainda segundo Parpinelli, porque podem aguardar condições melhores para colocar seus imóveis no mercado.

Danilo Igliori, economista-chefe do Grupo Zap e professor da USP (Universidade de São Paulo), também enxerga o mercado mais favorável para a compra. Ele afirma que muitos devem acabar colocando seus imóveis à venda em breve, quando a crise apertar.

“Tem uma enorme recessão sendo armada. Aqueles que querem ter uma renda extra podem se animar a vender.”

Leia mais em: Folha de SP